Confesso que não assisto muitas séries. Não tenho paciência! Sempre quero saber o que vai acontecer logo, e os episódios gigantes me deixam entediada. Já tentei acompanhar várias, aquelas mais femininas principalmente. Só que não conseguia acompanha-las, por mais que eu goste de moda e essas coisas, não me dou bem com elas.
   Pesquisando na internet, vi que o Netflix tinha lançado Orange is the new black. Primeira coisa que me fez parar para ler sobre, foi o nome. Achei que seria alguma coisa sobre uma mulher rica que se deu mal com uma coisa boba e foi parar na cadeia, para ser verdadeira. Quando li, vi que se seriam contadas várias histórias, sobre os motivos que cada personagem foi parar na cadeia, e como elas se relacionam lá dentro.


   Sou do tipo que fica com raiva dos personagens quando eles fazem alguma coisa que eu não gosto, mas nessa série eu não sinto isso. Acho que eu não espero muito as coisas que acontecem, então acabo "concordando" com as atitudes de alguns. Uma coisa bem legal que acontece também, é que por serem várias personagens, nenhum episodio fica fixado em contar apenas uma situação, e sim o desenrolar de várias situações/conflitos, envolvendo várias personagens.
   Estou acabando a última temporada disponível, a terceira. Essa foi a que menos gostei, o assunto girou muito em torno de uma coisa só, e nada muito interessante aconteceu até esse episódios que estou. Consegui criar uma raivinha pelas novas personagens, acho que elas só vieram para atrapalhar as coisas que eu gostava, como um casal (não quero contar, mas já contando...). Nessa fase, parece que as personagens estão se descobrindo, mudando de comportamento e  de pessoas que se relacionam. Mas não é uma temporada que me faça desistir de assistir as próximas.



Os temas que serão abordados na 4 temporada serão: 
As repercussões do “tráfico” de calcinhas; a nova relação de Crazy Eyes; O novo Caputo, 100% do lado do sistema;O envolvimento entre Red e Healey;Soso e sua nova turma;O futuro do bebê de Dayanara;A saída de Sophia da solitária;A chegada de Judy King ao presídio;O dobro de detentas em Litchfield.



Deixe um comentário